O papel da cirurgia plástica reparadora no atendimento aos queimados é importantíssimo, dentro de uma equipe multidisciplinar. A queimadura é caracterizada por uma lesão que foi gerada por algum agente físico, como o calor, o frio, entre outros. A classificação da queimadura dentro da cirurgia plástica é feita por sua extensão e por sua profundidade. Pela extensão, o que se calcula na cirurgia plástica é a área de superfície corporal queimada (SCQ), sendo que cada membro e cada região do corpo representam uma porcentagem do total. Já pela profundidade, a queimadura é classificada na cirurgia plástica pelo grau de destruição celular, existindo 4 graus de profundidade: primeiro grau, segundo grau superficial, segundo grau profundo e terceiro grau.

Quanto ao atendimento de uma pessoa queimada por um cirurgião plástico, pode ser feito na fase aguda ou na tardia. Na fase aguda, pela cirurgia plástica são realizados cuidados locais com medicamentos eficazes em penetrar nos tecidos e matar bactérias em crescimento, como a sulfadiazina de prata, minimizando o dano aos tecidos e deixando mais superficial a queimadura. Paralelamente, o paciente queimado tem que ser bem hidratado e ter uma alimentação reforçada, pois seu metabolismo está muito acelerado devido à queimadura. Após a recuperação, passa a ser possível se realizar acirurgia plástica reparadora em queimados, a qual envolve o tratamento de seqüelas pela cirurgia plástica, como retrações de cicatrizes que impedem o movimento normal de articulações, além de cirurgia plástica de enxertos de pele e gordura e expansores que minimizam as cicatrizes decorrentes de um momento tão traumático.